Make your own free website on Tripod.com

Samkhya e Yoga

SAMKHYA
Samkhya, literalmente, significa enumeração. O texto básico que fala deste assunto é o "Samkhya Pravacana Sutra", escrito pelo sábio Kapila.

"O Samkhya estabelece os princípios sobre os quais o Yoga baseia suas práticas e define com clareza o objetivo que ele terá como alvo, de modo que as disciplinas propostas pelo Yoga ficam desprovidas de sentido, se não compreendermos o Samkhya." ( O Yoga - Tara Michael).

O ponto de partida do Samkhya é a insatisfação diante dos três tipos de sofrimento:

Segundo o Samkhya a causa do sofrimento é a ignorância (ajñana) e a falta de discernimento (aviveka). O Samkhya analisa esta insatisfação humana e enfatiza a necessidade de se conhecer o que é este mundo manifestado e o não-manifestado.

Teoria da Causação

Qual é na verdade a natureza de uma transformação? Chega-se a conclusão de que o produto não é o aparecimento de uma substância completamente nova, diferente, e sem relação com sua causa, mas, ao contrário, que deve pre-existir sob uma forma latente em sua causa.

A primeira constatação que parece impor-se é que o universo manifestado em sua totalidade se caracteriza por uma mutação incessante. O mundo é com razão denominado em sânscrito o "em movimento" (jagat). Todas as coisas se submetem continuamente a modificações infinitesimais, e no mais breve espaço de tempo não há nada que não tenha mudado, mesmo imperceptivelmente. Todos os fenômenos, tanto físicos como psíquicos, estão em estado de fluxo perpétuo.

Para conhecer a natureza dessas contínuas transformações, o Samkhya debruça-se sobre a relação do efeito à causa.

"O efeito já existe em estado latente em sua causa." (ex.: a verdadeira natureza da coalhada é o leite, porque a coalhada está potencialmente presente no leite, embora ainda não manifestada). Tudo é o desabrochar do que já era latente.

A partir daí o Samkhya enumera 25 causas ou princípios da evolução cósmica. Estes princípios são chamados em sânscrito de tattvas:

PROCESSO DE EVOLUÇÃO DO UNIVERSO

                                            PURUSHA

PRAKRTI

MAHAT (BUDDHI)

AHAMKÃRA (EGO)

SÃTTIVIKA RÃJASA TÃMASA
JNÃENDRIYA KAMENDRIYA TANMATRAS MAHÃBHUTAS
Audição Palavra Som Espaço
Tato

Preensão

Tato Ar
Visão Locomoção Visão Fogo
Gustação Excreção Sabor Água
Olfato Prazer Olfato Terra

Prakrti requer a presença de Purusha, a fim de ser conhecida, e Purusha requer ajuda de Prakrti, a fim de atingir a liberação. O grande objetivo da manifestação do Universo é atingir a liberação.

YOGA

O sistema filosófico Yoga é altamente prático. Ele discute a natureza da mente e suas modificações, impedimentos para progredir e também para atingir o mais alto objetivo – Kaivalya (isolamento). O texto básico é o "Yoga Sutra", do sábio Patanjali.

Segundo o Yoga não basta apenas um conhecimento intelectual da verdade. É necessário uma disciplina prática, que tenha como meta o controle e tranquilização da mente e consequentemente do corpo, para que o homem possa conquistar o conhecimento da sua verdadeira natureza.

De acordo com Patanjali, Yoga é o controle das modificações mentais e, portanto, o único remédio para dissolvê-las é a disciplina mental.

Teoricamente o sistema Yoga é baseado na mesma doutrina da filosofia Samkhya, e também assimila os ensinamentos da filosofia Vedanta. Na filosofia Samkhya a mente é categorizada em três funções ou partes:

Em vedanta a mente é dividida em quatro partes:

No Yoga, contudo, a mente é chamada citta. O termo citta é usado para denotar não somente o instrumento mente, como todas as suas flutuações e mudanças.

Para o Yoga a mente é um lago. Na superfície deste lago existem várias e diferentes ondas (pensamentos). A parte mais profunda do lago, contudo, é calma, assim como o nível mais profundo da mente também é calmo. As ondas de pensamento, no entanto, agitam a mente e a impede de realizar a sua verdadeira natureza.

Os cinco estados da mente são:

CONCLUSÃO

No Mahabharata, Samkhya e Yoga opõem-se como duas vias, não contraditórias, mas complementares:
"Não há Conhecimento como o Samkhya, não há poder como o Yoga."

De modo que um não pode ser levado à perfeição sem o outro:
"Do Yoga nasce o Conhecimento, do Conhecimento nasce o Yoga. Para quem possui Yoga e Conhecimento, não há mais nada a obter."

A escola clássica do Yoga que constitui por si só um Darshana (ponto de vista), apoia-se com efeito sobre os alicerces lançados pela doutrina Samkhya, e, em troca, elabora o método ainda embrionário do Samkhya.

O texto base desta escola – e o mais antigo documento sistemático que possuímos sobre o Yoga – é o tratado de Patanjali, Yoga-Sutra: "Aforismos do Yoga". É uma espécie de resumo destinado aos estudantes de Yoga, de tal concisão que seria, sem dúvida, indecifrável para nós se não estivesse desenvolvido por numerosos comentários.